Governador garante licitação de Congódromo de Vila Bela em agosto

congoO governador Pedro Taques anunciou nesta segunda-feira (20.07), em Vila Bela da Santíssima, que no dia 15 de agosto será aberto o processo de licitação para a construção do congódromo do município. O chefe do Executivo participou das celebrações em homenagem ao Divino Espírito Santo e São Benedito que acontecem na primeira capital de Mato Grosso.

Segundo Taques, nestes primeiros seis meses de gestão, o governo através das economias que foram realizadas, conseguiu cerca de R$ 2,4 milhões para a realização da obra. “Quero agradecer ao povo de Vila Bela da Santíssima Trindade e as associações de irmandade por não deixar morrer essa festa e por manter a religiosidade do povo mato-grossense”, disse.

Taques argumentou que a obra faz parte de um grande sonho da população e destacou que é obrigação do poder público incentivar o fomento ao turismo e também a cultura do Estado.

Além da construção do congódromo, o governador anunciou que o Estado vai trabalhar para reformar a Casa dos Capitães Generais, que abrigou a sede do governo local, no período em que Vila Bela da Santíssima Trindade foi a capital de Mato Grosso.

O governador garantiu que a sede da administração estadual será transferida para o município durante o dia 19 de março de 2016, quando o município completará 264 anos de fundação. Na data, Taques e todos os secretários de Estado despacharão do município. “Vamos despachar daqui e atender aos prefeitos das cidades vizinhas, é uma formar de valorizar e de demonstrar o respeito a nossa história”, afirmou.

A Catedral da cidade também receberá benfeitorias do Governo do Estado. Taques afirmou que o Executivo já trabalha para alocar recursos para a obra de cobertura do patrimônio. O governador foi acompanhado do secretário adjunto de Turismo, Luiz Carlos Nigro e do secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, Leandro Carvalho.

A Festa

A Festança em Vila Bela da Santíssima Trindade começou no dia 15 de julho e vai até o dia 26 com uma extensa programação que inclui rezas, missas, levantamento de mastro, música e dança. Já ocorre há mais de dois séculos e é dividida em duas partes. A primeira é a preparação, que inclui reza, folia e levantamento de mastro. A segunda é a comemoração, com missa, almoço, jantar e apresentações culturais. Duas danças típicas movimentam a festa.

A Dança do Congo representa a resistência dos negros que continuaram na região após a transferência da capital do Estado para Cuiabá, em 1835. É a dramatização de uma luta simbólica travada entre dois reinados africanos. O Embaixador de um reino pede ao Rei do Congo a mão de sua filha em casamento. O Rei rejeita o pedido por desconfiar que o Embaixador iria trair o reinado após o casamento e tomaria o poder. É declarada a guerra, encenada por meio das coreografias. Roupas coloridas como mantos, coroas, bastões e espadas ornamentados fazem parte do figurino tradicional e também homenageiam os santos louvados.

A Dança do Chorado surgiu no período colonial, quando escravos fugitivos ou transgressores eram aprisionados e castigados pelos seus senhores. As negras escravas dançavam o Chorado para pedir perdão e liberdade aos seus familiares, equilibrando garrafas de Canjinjim na cabeça.

Ubiratan Braga

Jornalista, radialista, publicitário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Espaço reservado para publicidade/p>