Operação contra roubo e furto em Várzea Grande tem alvo em moradores de rua

Uma ação integrada, com foco no enfrentamento a crimes de roubos e furtos a empresas e transeuntes na região central de Várzea Grande, foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (19).

Os trabalhos resultaram na abordagem e condução de 40 moradores de rua, que receberam atendimento psicossocial, e tiveram dados cadastrados em um banco de dados que busca subsidiar a elucidação dos crimes contra o patrimônio ocorridos na cidade, e que cuja autoria tem sido atribuída pelas vítimas aos sem-teto.

A ação integrada foi realizada pela Polícia Judiciária Civil, por meio do trabalho da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (DERF-VG), Secretaria de Assistência Social, Centro Pop de VG, Guarda Municipal, Comando Regional II da Polícia Militar, Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), Conselho Tutelar e Núcleo Psicossocial do Juizado Especial Criminal de Várzea Grande.

Após as conduções, os abordados foram conduzidos até a base da Guarda Municipal de Várzea Grande, onde foram checados civil e criminalmente, além de qualificados fotograficamente.

A Politec designou um papiloscopista para coleta de impressões digitais, uma vez que a maioria dos moradores de rua não possuem documentos de identificação.

 

“É importante ressaltar que a operação visa também separar o joio do trigo, ou seja, identificar e qualificar aqueles que realmente estão doentes (dependentes químicos) em situação de vulnerabilidade, dos criminosos que estão se escondendo nessa situação de suposta vulnerabilidade para driblar a ação da polícia”, destaca a delegada titular da DERF-VG, Elaine Fernandes da Silva.

Ainda segundo a delegada, o trabalho desenvolvido nesta quarta-feira (19) apresentou resultados satisfatórios. “Em meio aos moradores de rua, conseguimos elucidar alguns furtos a empresas. Também foram lavrados termos circunstanciados de ocorrências pela prática de posse de droga para uso”.

Vários dependentes químicos, em situação de rua, possuem passagens por crimes patrimoniais para sustentar o vício. Àqueles que aceitaram o tratamento foram encaminhados a unidades e comunidades terapêuticas, disponibilizadas pela Secretaria de Assistência Social e Juizado Especial Criminal de Várzea Grande.

A Secretaria de Assistência Social também disponibilizou uma equipe de psicólogos e assistentes sociais, bem como uma equipe de salão de beleza para acolhimento da população de rua, que ainda recebeu kits de higienização, e outros serviços.

O trabalho desenvolvido está inserido na operação Bairro Seguro, deflagrada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

Ubiratan Braga

Jornalista, radialista, publicitário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Espaço reservado para publicidade/p>